AO VIVO Últimas Notícias
13/09/2022 09h28 | Atualizado em 13/09/2022 09h57

Enfermeira diz sentir “cheiro” do Parkinson e ajuda a criar novo teste para doença; entenda

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1% da população mundial acima de 65 anos conviva com a doença, que causa sintomas como dificuldade de movimentação, tremores e rigidez muscular.

Enfermeira diz sentir Foto: divulgação / Associação Britânica de Parkinson
Da Redação

Um novo teste para o diagnóstico da doença de Parkinson está sendo desenvolvido. A novidade é que o exame levará três minutos para comunicar o diagnóstico. O teste está sendo desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Manchester, no Reino Unido.

O trabalho científico foi publicado no Journal of the American Chemical Society, inspirado pela enfermeira aposentada Joy Milne. A profissional da saúde tem uma condição caracterizada por um olfato muito apurado e diz conseguir identificar pacientes da doença apenas pelo cheiro.

O falecido marido de Joy foi diagnosticado com Parkinson. Eles começaram a frequentar associações de apoio a pacientes e a conviver com outras pessoas com a doença, que prejudica gradativamente as funções cerebrais relacionadas ao movimento.

Então, Joy percebeu que todas elas apresentariam o "mesmo cheiro incomum" que ela sentia no marido há 12 anos, muito antes de os primeiros sintomas dele se manifestarem. As informações são da CNN Brasil.

Joy Milne comentou o fato com um pesquisador e se envolveu em pesquisas que buscavam avaliar se suas capacidades olfativas poderiam ser usadas para identificar a doença de forma precoce, o que beneficiaria o tratamento.

O odor sentido pela escocesa era maior na região das costas dos pacientes, que é lavada menos frequentemente. Onze pesquisadores participam do trabalho, incluindo Joy Milne. Conforme o periódico, o aumento da oleosidade e da pele escamosa, especialmente na face e no couro cabeludo, são sintomas comuns da doença Parkinson (DP).

As análises constataram que o sebo poderia ser usado para identificar lipídios com grande massa molecular que são mais ativos em pessoas com Parkinson.

TESTE
 
O princípio fundamental do exame é observar a massa e a composição química das moléculas do sebo utilizando uma técnica chamada espectrometria de massa. Para realizar o exame, um pouco da substância é coletada das costas do paciente de forma simples e não invasiva, usando um swab de algodão.

O sebo é colocado em um filtro de papel e recebe uma gota de solvente e voltagem elétrica, o que transfere seus componentes para o espectrômetro de massa.

Conforme informações divulgadas pelos pesquisadores, dos 4.000 compostos encontrados na solução, cerca de 500 são diferentes entre pessoas com e sem a doença de Parkinson.

O próximo passo para a equipe de pesquisadores é tornar o teste um método clínico para o diagnóstico do distúrbio.

Segundo os cientistas, os resultados também abrem novas possibilidades, como a identificação de outras doenças por meio da análise de sebo, que eles descobriram ser um biofluido eficiente para diagnósticos.

DOENÇA DE PARKISON

A doença de Parkinson é uma doença neurológica que afeta os movimentos da pessoa. Causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, além de alterações na fala e na escrita, segundo o Ministério da Saúde. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1% da população mundial acima de 65 anos conviva com a doença, que causa sintomas como dificuldade de movimentação, tremores e rigidez muscular. Não existe uma cura, mas medicações para repor a dopamina fazem parte do tratamento.

LEIA MAIS: Anitta diz que Rock in Rio não valoriza artistas brasileiros: "não piso nunca mais"

Acompanhe nossas transmissões ao vivo no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos siga no InstagramFacebook e Twitter. Quer mandar uma denúncia ou sugestão de pauta, mande WhatsApp para (71) 99940 – 7440. Nos insira nos seus grupos!

Fonte: Da redação