AO VIVO Últimas Notícias
06/07/2021 15h54 | Atualizado em 06/07/2021 15h56

‘Teste do pezinho’ poderá ser feito em todos os hospitais da Bahia; projeto é defendido por deputado

Dessa forma a progressão dos exames se dará em três etapas. Confira.

'Teste do pezinho' poderá ser feito em todos os hospitais da Bahia; projeto é defendido por deputado Foto: divulgação
Da Redação

Todos os hospitais da rede de saúde pública estadual e as unidades estaduais de saúde e voltados ao atendimento à gestante são obrigados a proceder exames de triagem neonatal do “teste do pezinho” visando ao diagnóstico e à terapêutica de anormalidades no metabolismo do recém-nascido e à prestação das devidas orientações aos pais. É o que determina projeto de lei do deputado David Rios (PSDB).

O “teste do pezinho” chegou ao Brasil na década de 1970 para identificar fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito. Em 1992, tornou-se obrigatório em todo o território nacional, sendo oferecido gratuitamente no Sistema Único de Saúde. A abrangência do teste disponibilizada na rede pública federal detecta até seis doenças, enquanto que a versão expandida, encontrada nas redes particulares, faz o diagnóstico de até 53 patologias.

A proposição do parlamentar, que também é médico, aumenta a abrangência do exame, ao determinar que o rastreamento de doenças no recém-nascido que não forem disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde, no âmbito do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), será feito pelos hospitais e estabelecimentos de saúde voltados ao atendimento à gestante mediante as dotações orçamentárias ou subvenções q destinadas pelo governo do estado.

Dessa forma a progressão dos exames se dará em três etapas. A primeira para diagnosticar as seguintes doenças: fenilcetonúria e outras hiperfenilalaninemias; hipotireoidismo congênito; anemia falciforme e outras; hemoglobinopatias; toxoplasmose congênita; fibrose cística; hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase;

A segunda para rastrear galactosemias; aminoacidopatias; galactosemias; distúrbios do ciclo da ureia; distúrbios da betaoxidação dos ácidos graxos; distúrbios do ciclo da ureia; da betaoxidação dos ácidos graxos; hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase e toxoplasmose congênita; A terceira fase do teste visa detectar as doenças lisossômicas; a quarta, imunodeficiências primárias e a quinta atrofia muscular espinhal.

A delimitação de doenças a serem rastreadas pelo teste do pezinho será revisada periodicamente pela Secretaria de Saúde. “A coleta da amostra de sangue, retirada do calcanhar do bebê, pode detectar doenças raras, facilitando o tratamento precoce e trazendo mais qualidade de vida para as famílias. Há estimados 13 milhões de pessoas com doenças raras no Brasil”, observa David Rios na justificativa do projeto.

Acompanhe todas as notícias sobre o novo coronavírus.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.

Fonte: Da redação