AO VIVO Últimas Notícias
29/02/2024 12h25 | Atualizado em 29/02/2024 12h21

Especialista explica quais os principais erros ao fazer jejum intermitente

Dentre os principais equívocos com a prática estão a falta de acompanhamento de um profissional e os longos períodos em jejum

Especialista explica quais os principais erros ao fazer jejum intermitente Foto: Ilustrativa/Pexels
Lucas Pereira

Apesar de ter ganhado popularidade nos últimos anos, o jejum intermitente é uma prática que surgiu há milhares de anos e mesmo sendo uma aliada para o emagrecimento, caso seja feita de maneira inadequada, a prática pode causar problemas de saúde.

Segundo o médico Leonardo Matthew, referência em emagrecimento e reposição hormonal em homens e mulheres, o problema é que grande parte das pessoas adotam essa técnica inadequadamente, sem acompanhamento profissional.

“Fazer o jejum de forma acompanhada pode trazer benefícios além do emagrecimento, contribuindo com a melhora da saúde metabólica e da qualidade de envelhecimento, reduzindo a chance do aparecimento de muitas das doenças crônicas que existem hoje”, destaca Leonardo.

Com relação ao procedimento, o especialista explica como o corpo reage ao jejum: “Quando o indivíduo fica sem comer por muito tempo, o organismo utiliza glicose armazenada como fontes de energia; e após 10h a 12h de jejum, começa a consumir a gordura corporal e utilizar corpos cetônicos que fazem bem, inclusive, para o funcionamento cerebral”.

Dentre os erros mais comuns estão:

1) Jejum no período diurno

Quem passa por um longo período de restrição alimentar durante o período diurno, principalmente pulando o café da manhã, pode ter mais malefícios metabólicos do que benefícios. Isso pode contribuir para mais fome ao final do dia e compulsão alimentar.

2) Começar com longos períodos de jejum

A orientação do médico às pessoas que nunca fizeram jejum intermitente é começar com parcimônia, se adaptando gradualmente ao aumento do período de jejum. “Isso ajuda a evitar reações fisiológicas como tonturas, muitas dores de cabeça, vômitos e cãibras”.

3) Cuidado com o desjejum

Além disso, os resultados desse método não se baseiam somente no jejum propriamente dito. É necessário ter um cuidado especial com o desjejum, que é o momento de se alimentar após o jejum. “Não adianta ficar 16h sem comer e quebrar o jejum com alimentos ricos em gordura saturada e açúcar refinado. É fundamental que seja uma alimentação equilibrada, rica em proteína, carboidratos complexos e boas gorduras”, explica o médico.

4) Não ter acompanhamento profissional

Outro problema ao fazer jejum intermitente, segundo Leonardo, é realizá-lo sem a orientação de um profissional de saúde. Cada pessoa deve ser avaliada de forma individualizada, considerando todas as variáveis que podem influenciar para os melhores benefícios do método.

“O ideal é contar com uma abordagem integrada que leve em consideração todas as necessidades do paciente, assim, é possível avaliar a real necessidade do jejum intermitente e de que forma ele pode ser empregado para otimizar o processo de emagrecimento aliado a saúde”.

LEIA MAIS: Saúde antecipa vacinação contra gripe; campanha começa em 25 de março

Acompanhe nossas transmissões ao vivo no www.aratuon.com.br/aovivo. Siga a gente no InstaFacebook e Twitter. Quer mandar uma denúncia ou sugestão de pauta, mande WhatsApp para (71) 99940 – 7440. Nos insira nos seus grupos!