Após cobranças nas redes sociais e a perda de dois patrocínios, o Santos anunciou a suspensão do contrato do jogador Robinho - condenado por estupro na Itália -, cujo retorno foi anunciado no último sábado (10/10). 

"O Santos Futebol Clube e o atleta Robinho informam que, em comum acordo, resolveram suspender a validade do contrato firmado no último dia 10 de outubro para que o jogador possa se concentrar exclusivamente na sua defesa no processo que corre na Itália", anunciou o clube.

VEJA:

santosfc-121676480-355607942353977-8296478604189776299-n

A decisão vem após a divulgação - pelo Globo Esporte - de trechos da sentença da Justiça italiana que condenou o jogador e um amigo, em primeira instância, a nove anos de prisão por violência sexual de grupo contra uma jovem natural da Albânia.

LEIA MAIS: Gravações mostram Robinho ironizando estupro na Italia: "eu estou rindo porquê não estou nem ai"

Em seu perfil no Instagram, Robinho também se manifestou: "Com muita tristeza no coração, venho falar para vocês que tomei a decisão junto do presidente de suspender meu contrato neste momento conturbado da minha vida. Meu objetivo sempre foi ajudar o Santos Futebol Clube. Se de alguma forma estou atrapalhando, é melhor que eu saia e foque nas minhas coisas pessoais. Para os torcedores do Peixão e aqueles que gostam de mim, vou provar minha inocência".

O contrato era válido por cinco meses e seria discutido em reunião do Conselho Deliberativo no próximo dia 21 deste mês.

ENTENDA

O processo envolvendo o jogador Robinho, atualmente no Santos, pelo crime de estupro, teve novos fatos revelados nesta sexta-feira (16/10). Gravações obtidas pelo programa Globo Esporte mostram o atacante e um amigo comentando o acontecido.

A Justiça italiana condenou ele e um amigo, Ricardo Falco, a nove anos de prisão por violência sexual de grupo contra uma jovem de origem albanesa. O caso aconteceu numa boate de Milão chamada Sio Café, na madrugada do dia 22 de janeiro de 2013, e foi julgado na mesma cidade em novembro de 2017. 

Em uma das conversas monitoradas dentro do carro de Robinho, o jogador e Ricardo Falco combinaram as respostas que dariam à Justiça. Falco comentou que a “nossa salvação” era que não tinha nenhuma câmera na boate que flagrasse eles com a jovem.

A trascrição começa com Falco falando: "Ela se lembra da situação. Ela sabe que todos transaram com ela", diz. Robinho responde que tem certeza que um dos seus amigos gozou dentro da vagina da mulher abusada. Falco, então, responde que não acredita. "Naquele dia ela não conseguia fazer nada, nem mesmo ficar em pé, ela estava realmente fora de si", diz ele, ao que o jogador confirma.

Outra gravação, feita em janeiro de 2014, mostra Robinho zombando da situação com outro amigo, o músico Jairo Chagas. "Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu. [...] Olha, os caras estão na merda... Ainda bem que existe Deus, porque eu nem toquei aquela garota. Vi [nome de amigo 2] e os outros fod*r*m ela, eles vão ter problemas, não eu... Lembro que os caras que pegaram ela foram [nome de amigo 1] e [nome de amigo 2].... Eram cinco em cima dela", disse o jogador, segundo a reportagem.

LEIA MAIS: Robinho é condenado a nove anos de prisão na Itália por violência sexual

No mesmo mês, em mais uma conversa com o músico, Robinho tenta criar um falso álibi. "A polícia não pode dizer nada, eu direi que estava com você e depois fui para casa", começa. "Mas você também transou com a mulher?", questiona Jairo. O atacante nega e cita três amigos que teriam feito o abuso. "Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela", insite o músico. "Isso não significa transar", finaliza o santista.

Há ainda uma outra ligação, a uma pessoa não identificada, onde Robinho diz que “não havia prova de que fizemos alguma coisa”. A decisão italiana ainda não é definitiva e foi contestada pelas defesas de Robinho e Ricardo Falco. A Corte de Apelo de Milão vai iniciar a análise do processo, em segunda instância, no dia 10 de dezembro.

Além deles, outros quatro brasileiros teriam participado do ato classificado pela Procuradoria de Milão como violência sexual. Todos saíram da Itália e retornaram ao Brasil durante a fase de investigação.

PATROCÍNIO

Após a divulgação do áudio, a empresa Kicaldo, que estampa a manga do uniforme do Santos, rescindiu o contrato com o clube. "Depois da reportagem veiculada pelo Globoesporte.com, a nossa posição é que o clube rescinda com o jogador Robinho. Estamos aguardando a posição do clube. Se eles rescindirem, a gente mantém a parceria. Se não, a gente não vai mais patrocinar a equipe", disse a assessoria da empresa a UOL.

Outra marca decidiu abandonar o patrocínio logo após a contratação do atacante. A Orthopride, empresa de ortodontia, anunciava dentro dos números da camisa do Peixe desde maio de 2018.

Acompanhe todas as notícias sobre o novo coronavírus.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.