O secretário especial da Fazenda, do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (22/7), que o pior da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus "parece ter passado". O encontro foi realizada para explicar a nova projeção fiscal.

“A economia não teve uma queda tão intensa como o esperado. O fundo do poço foi em abril, e diversos dados mostram recuperação a partir de maio”, declarou o secretário, que ressaltou ainda que o Produto Interno Bruto (PIB) está caindo menos que o previsto.

Para ele, essa recuperação a partir do mês de maio foi a principal razão para que a equipe econômica ter mantido em 4,7% a estimativa de contração do PIB para 2020. O Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas elevou a previsão do déficit primário nas contas públicas para R$ 787,45 bilhões em 2020.

Esse déficit representa o resultado negativo nas contas do governo, desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. Como a pandemia de Covid-19 provocou a elevação de gastos com medidas de ajuda à economia e de combate à doença, o rombo nas contas públicos será elevado este ano. Além do aumento dos gastos, a queda na arrecação decorrente do achatamento da renda e da retração na economia também irá influenciar o déficit primário. 

LEIA MAIS: Congresso Nacional recebe proposta de reforma tributária que prevê unificação de impostos no país

Acompanhe todas as notícias sobre o novo coronavírus.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.