A cidade de Salvador recebe, entre esta quinta-feira e domingo (5 a 8/12), o primeiro Campeonato Pan-Americano de Canoagem Oceânica, modalidade também conhecida como "Surfski". As provas acontecem em um percurso de 23 km - do Fatrol de Itapuã ao Farol da Barra -, em mar aberto.

Para esta primeira edição são esperados cerca de 150 atletas, com idade entre 15 e 65 anos, de países das Américas do Norte, Central e do Sul, divididos em 17 categorias, masculino e feminino. Além das categorias individuais, que são divididas por faixa etária, são contemplados o Surfski duplo, que ainda não é praticado no estado, e a Paracanoagem.

As provas também contabilizam para a 3ª Etapa do Campeonato Brasileira de Surfski e 2ª Etapa do Campeonato Baiano de Surfski. Para o Pan-Americano são pontuadas apenas as categorias individuais (SS1), enquanto os grupos de Surfski Duplo (SS2) contam para o Brasileiro.

Já a Canoa Havaiana entra como modalidade convidada do evento, o qual é organizado pela Galeria Vivá e Associação Baiana de Surfski (Abaski), com supervisão da Confederação Brasileira de Canoagem Oceânica (CBCA) e da Confederação Pan-Americana de Canoagem Oceânica (Copac).

PROGRAMAÇÃO
 
Quinta-feira (5/12) - Solenidade de Abertura
Sexta-feira (6/12) - Briefing/Congresso técnico
Sábado (7/12) - Provas dos individuais SS e OC
Domingo (8/12) - Provas dos duplos SS e OC

SURFSKI

O Surfski, internacionalmente conhecido como “Canoe Ocean Racing”, ganhou representatividade continental com a criação do comitê da Confederação Pan Americana de Canoagem durante os jogos Pan Americanos em Huacho, Peru. O grande diferencial da prática do Surfski para outros esportes de remadas oceânicas  é que “a técnica é mais harmônica. Aproveita-se mais a força do corpo com flexão da perna, a rotação do quadril, o giro do tronco e toda a parte do core que sustenta o movimento. Então, usa-se o corpo todo e a remada fica mais objetiva”, explica Bruno Machado que trouxe modalidade para a Bahia, em 2015, depois que a conheceu através do para-atleta Fernando Fernandes, Tetra Campeão Mundial de Paracanoagem. Desde então, ele vem desenvolvendo cursos, aulas e eventos na Galeria Vivá (Porto da Barra), conectando as pessoas e desmistificando a imagem distorcida que o Mar é traiçoeiro. 

BAHIA
 
No estado, o esporte vem ganhando adeptos rapidamente e fortalecendo o Movimento Surfski com o 1º Campeonato Estadual de Surfski, realizado em maio pela Abaski. Os atletas baianos também têm se destacado no cenário nacional chegando ao pódio no Campeonato Brasileiro de Surfski, na Praia das Cabeçudas, Itajaí/SC, com a 1ª colocação do Mestre Jackson e a 3ª colocação de Antônio Saback (Sabackão), em suas categorias.

LEIA MAIS: Canoagem da Bahia conquista cinco medalhas no Desafio Brasileiro em Tocantins

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.