AO VIVO Últimas Notícias
27/11/2023 12h28 | Atualizado em 27/11/2023 13h43

Investigador esfaqueado diz ter sido atacado por usuário de drogas: ‘Exército de zumbis’

Eles rondam pela Piedade e no entorno do Campo Grande e ficam circulando, procurando vítimas, e o principal 'objeto de desejo' é o aparelho celular para trocar por droga

Investigador esfaqueado diz ter sido atacado por usuário de drogas: 'Exército de zumbis' Foto: Arquivo Pessoal
Da Redação

Agrimaldo Souza, investigador da Polícia Civil há 20 anos, foi esfaqueado no braço no último domingo (26/11). O caso foi registrado pela vítima na 1ª Delegacia dos Barris, que realizou a identificação dos suspeitos e a condução deles até a delegacia. Segundo o investigador, Salvador enfrenta problemas com “zumbis”.

Conforme a vítima, o ferimento ocorreu durante uma tentativa de assalto. O suspeito é um usuário de drogas, viciado, o que Agrimaldo, por meio de nota do Sindicato dos Policiais Civis (SINDPOC), afirmou ser parte de um “exército de zumbis”. “Eles rondam pela Piedade e no entorno do Campo Grande e ficam circulando, procurando vítimas, e o principal ‘objeto de desejo’ é o aparelho celular para trocar por droga”, destacou.

“A polícia não é para ficar enxugando gelo, prendendo e soltando usuários de drogas. Roubam os celulares e depois correm para Gamboa, para trocar por droga na boca de fumo. Então, o que está faltando é uma ação social efetiva, que envolva várias secretarias do município, com políticas sociais de acolhimento para diminuirmos a quantidade de usuários, para diminuirmos esses vampiros. O zumbismo da cidade”, sugere o investigador e diretor do Sindpoc, Agrimaldo Souza.

Apesar da profundidade do ferimento, ele foi socorrido no local por uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel e Urgência (SAMU) e segue apenas com o braço enfaixado, para contenção dos pontos.

LEIA MAIS: Caso Lucas Maia: Homem encapuzado é suspeito de matar dentista no Rio Vermelho

Acompanhe nossas transmissões ao vivo no www.aratuon.com.br/aovivo. Siga a gente no InstaFacebook e Twitter. Quer mandar uma denúncia ou sugestão de pauta, mande WhatsApp para (71) 99940 – 7440. Nos insira nos seus grupos!