A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou o jogador colombiano Juan Ramírez, do Bahia, por injúria racial contra Gerson, do Flamengo, durante confronto dos times pelo Campeonato Brasileiro, em 20 de dezembro do ano passado. O inquérito vai, agora, para o Ministério Público, que decidirá se apresentará a denúncia.

Aratu On tentou entrar em contato com a assessoria do Bahia, mas não obteve retorno até a publicação desta nota.

Além dos atletas envolvido, foram ouvidas outras pessoas presentes na ocasião, como os também jogadores Natan e Bruno Henrique, do time carioca, e o então técnico do Bahia, Mano Menezes.

A conclusão da Polícia Civil é de que a versão de Gerson é verdadeira. Ele acusou Ramírez de ter dito: "cala a boca, negro". O colombiano, porém, negou a declaração.

O caso também é analisado pelo Superior Tribunal da Justiça Desportiva. Gerson e os outros jogadores do Flamengo dariam depoimento na quarta-feira, mas não compareceram. Por isso, o inquérito vai seguir sem a declaração deles. À imprensa, o vice geral e jurídico do clube do Rio, Rodrigo Dunshee, explicou que os atletas não foram foram autorizados para depor por causa do clássico contra o Vasco, nesta quinta-feira (4/2).

LEIA MAIS: Gerson não depõe sobre caso de injúria em jogo do Bahia e STJD vai fechar inquérito sem ouvir jogadores do Flamengo

Acompanhe todas as notícias sobre o novo coronavírus.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.