O ator Henri Castelli usou as redes sociais para desabafar sobre as agressões sofridas no dia 30 de dezembro durante uma viagem. O astro negou que tenha se envolvido em uma briga em Alagoas e contou que foi surpreendido pelas costas por quatro homens que desferiram chutes e socos.

"Foi muito triste o que aconteceu comigo. Eu fui agredido covardemente, sem chance de me defender. Eu estava com alguns amigos e, do nada, fui puxado pelas costas, jogado no chão e fui agredido, vítima de socos e chutes no rosto", contou o artista em vídeo publicado no Instagram.

Abalado, Castelli se emocionou ao falar que não tornou o caso público antes por medo de assustar a mãe com o estado de saúde dele, que sofreu uma fratura exposta na mandibula. "A impressão que eu tinha é que a minha boca estava pendurada naquele momento (chora). Ligar para a minha mãe para contar sobre a agressão não era a melhor coisa a fazer. Ela só soube de tudo depois que eu voltei da cirurgia", afirmou

Henri apresentou fotos das lesões, raio-x e tomografias e disse também que as imagens serão juntadas no processo contra os envolvidos. O ator ressaltou que, por orientação médica, teve "a boca amarrada com um fio de aço" para que viajasse a São Paulo para fazer a cirurgia.

"Eu fiquei com muito medo pela minha família. Também fico com medo de ficar com sequelas para sempre. A minha boca ainda está torta, meu rosto ainda está muito roxo", lamentou, destacando que denunciou os agressores o inquérito está em andamento.

A cirurgiã-dentista Rana Saleh, responsável por cuidar do ator, afirmou que a situação poderia ser irreversível, com graves sequelas. Ela acredita que a fratura apresentada por Henri é incomum. "Mesmo em casos de agressão, em que há fraturas de dentes ou até mesmo a perda deles. Não é comum ver um maxilar inferior com uma fratura exposta", disse Rana.

SUSPEITOS IDENTIFICADOS

Segundo o delegado Fabrício Lima do Nascimento, responsável pela Delegacia da Barra de São Miguel, cidade do litoral de Alagoas, onde o crime aconteceu, os suspeitos já foram identificados e ouvidos pela Polícia Civil. Apenas um confessou as agressões, alegando se tratar de um revide. 

A confusão teria começado após o ator reclamar de uma festa que foi organizada mais cedo numa marina local. O ator teria questionado a um dos organizadores e na mesa estavam os quatro suspeitos. Os agressores afirmam que Henri não gostou da realização da festa e a confusão teria iniciado.

“Há duas versões para o ocorrido: a da vítima (o ator) e a que os autores apresentaram. Os autores disseram que houve uma discussão antes (da agressão). Comprovadamente só uma pessoa assumiu. Estamos individualizando o caso. O outro autor foi quem primeiro discutiu com a vítima (o ator) e, durante a discussão, soube por um amigo que teria havido agressão verbal a ele por parte da vítima e, por isso, ele teria revisado. A vítima teria tentado agredi-lo fisicamente e o outro autor antecipou a agressão, eles acabaram entrando em briga e tudo aconteceu. O autor que assumiu a agressão (a Henri Castelli) afirmou que teria levado um murro da vítima e por isso revidou. Já a versão da vítima (o ator) é a de que ela não sabe qual foi o motivo da agressão. Ela estava com a cabeça baixa, mexendo no telefone e não sabe quem a agrediu nem o porquê”, explicou o delegado.

A defesa de Henri e a Polícia Civil já solicitaram à marina onde aconteceram as agressões imagens de monitoramento. O local informou que as câmeras não estavam funcionando no momento. Uma testemunha alega que os agressores estariam acompanhados do ex-prefeito do município, Zezeco, que também é dono do hotel onde o crime ocorreu, e seriam filhos de um ex-governador do estado. A testemunha, que não quer ser identificada, ainda revelou que os seguranças do local não interferiram na hora da agressão e enfatizou que o estabelecimento  se recusou a entregar as câmeras de segurança.

EX-PREFEITO SE DEFENDEU

O ex-prefeito também se manifestou por redes sociais e negou envolvimento no caso e disse conhecer ambas as partes envolvidas e que repudia qualquer ato de violência. O ex-prefeito negou também que estaria dificultando disponibilizar as imagens das câmeras do local onde as agressões ocorreram.

HENRI