Gabriella Abreu Severino, mais conhecida como Melody, de 14 anos, usou as redes sociais na quinta-feira (18/2) para desabafar sobre a polêmica entre o pai dela, Mc Belinho, e Anitta, que manifestou interesse em empresariar a menina quando ela completasse 17 anos. No relato, compartilhado em seu canal, a adolescente afirmou que gostaria de uma ajuda imediata da funkeira.

“Todo mundo sabe que começou com um comentário da Anitta. Tudo do nada, da noite para o dia. O meu pai respondeu a mensagem. Gerou toda aquela repercussão em vários sites. Assim, gente, Anitta falou para o meu pai que viraria minha empresária quando eu tivesse 17 anos”, relembrou a menina afirmando que precisaria de ajuda imediata e não daqui a três anos.

Melody aproveitou a oportunidade para contar que se sente julgada por sua aparência desde quando deu início a carreira, ainda criança. "Hoje em dia todo mundo pega muito no meu pé sobre questões de roupa, maquiagem e todas as coisas que eu faço. Tudo isso é causado por causa da minha idade. Sempre tive 13 anos, e agora estou com 14. Graças a Deus saí dos 13. Nunca saía... sempre fui muito perseguida por ser menor de idade", ironiza ela.

A garota falou que deseja ser tão famosa quanto Anitta quando for adulta, e que poderia não precisar de ajuda nessa idade. "Eu comentei que quando eu tivesse 17 ou 18 anos poderia estar muito maior do que ela e talvez não precisaria da ajuda dela. Isso não quer dizer que eu não gosto da Anitta, não quis desmerecer ninguém. Sou muito fã dela e vou continuar sendo. Admiro muito e acho ela uma pessoa muito esperta, mas meus objetivos pra quando eu tiver 17 ou 18 anos é ser tão famosa quando ela", explica.

A cantora teen declarou que deseja uma orientação agora, já que ainda convive com julgamentos. "Meu pai propôs minha carreira a ela por causa da minha idade. Meu pai é um ótimo empresário. Se eu sou famosa hoje em dia, é por causa dele. Se ela quisesse me empresariar, seria pra hoje. Tenho essa questão de ser menor de idade. E não é que eu não precisaria dela no futuro. Quem sabe? Se eu fosse precisar da ajuda dela, não que eu esteja necessitando, seria muito bom agora", conclui.

LEIA MAIS: Ford não demitirá trabalhadores de Camaçari e Taubaté durante negociações; salários são mantidos