O que é que acontece de quatro em quatro anos, reúne seleções incríveis e tem muito gol? Isso mesmo. A Copa do Mundo de Futebol Feminino. 

Sediada na França, a oitava edição do campeonato teve início na última sexta-feira (7/6), mas é neste domingo (9/6), às 10h30, que os corações verdes e amarelos pulsam mais fortes. Afinal, é a estreia das “canarinhas”, contra a Jamaica.

A Seleção Brasileira (vamos escrever com letras maiúsculas, “porque sim”) participou em todas as ocasiões e teve a melhor campanha em 2007, conquistando o vice-campeonato. Este ano, encontra-se no Grupo C, que além da Jamaica também conta com Austrália e Itália.

E antes que você venha dizer “ah, mas não é a mesma coisa” - já querendo comparar (erroneamente) com o mundial masculino - , nós vamos te responder: exatamente. Não é a mesma coisa! E é justamente por isso que a Copa Feminina merece tanto a sua atenção.

Para ser mais claros, listamos dez motivos para assistir ao campeonato e torcer muito pelas brasileiras! 

Confira!

1 - RECORDE DE VENDAS

A oitava edição da Copa do Mundo de Futebol Feminino teve recorde de vendas. Foram 720 mil ingressos até o mês de abril. Ainda é pouco se comparada à competição masculina, mas é um grande avanço!

2 - ESTREIA DA JAMAICA COM APOIO DA FILHA DE BOB MARLEY


Foto: Getty

Tem uma palavra que muitas mulheres conheceram nos últimos tempos: “sororidade”. A grosso modo, é a união e aliança entre as mulheres, baseado na empatia. E é nessa onda que o mundo pode comemorar a entrada da Jamaica na competição (a primeira vez que um país caribenho consegue a vaga), após vencer o Panamá e conquistar o terceiro lugar no grupo de classificação da Concacaf, em outubro de 2018.

As Reggae Gilrz jamaicanas começaram a ganhar forma em 1991, destacando-se na região, ao lado do Haiti e Trinidad e Tobago. Atualmente, ocupam a 53ª posição no ranking da Fifa, mas até chegar a esse ponto, foram muitos obstáculos. Há oito anos, por falta de financiamento, o programa de futebol feminino foi dissolvido pela Federação Jamaicana de Futebol. Não por acaso, a equipe saiu do ranking da Fifa depois de três anos sem atividades. Porém, em 2014, o programa foi retomado com o apoio de Cedella Marley, filha do rei do reggae, Bob Marley, e atual embaixadora do futebol feminino da Jamaica.

3 - VISIBILIDADE

Em pleno 2019, esta é a primeira vez que a Rede Globo, principal emissora do país, transmitirá a competição. Isso aí: TV aberta, com mulheres comandando as narrações e comentários. A Band também vai exibir uma partida por dia, não necessariamente do Brasil. Além disso, o canal fechado SporTV vai mostrar quase todos os jogos. 

Isso é uma vitória enorme não só para as jogadoras, mas para tantas meninas que se verão representadas. Fora a inspiração, né? 

4 - ETTIE, A MASCOTE


Foto: Divulgação

Uma pintinha “apaixonada pela vida e pelo futebol”. Assim que Ettie foi descrita pela Fifa, ao anunciar a mascote, no ano passado. Talvez vocês se lembrem dela dos memes da última copa masculina. Na época, brincaram que o Canarinho "Pistola" teria ficado com ciúmes de Ettie com o Zabivaka, o lobo, mascote do mundial na Rússia. 


Fotos: reprodução/Twitter

Uma curiosidade sobre a ave é que ela é filha do simpático Footix, mascote do torneio masculino de 1998.


Fotos: reprodução/Twitter

5 - FORMIGA, MARTA E CRISTIANE

Os três maiores nomes do futebol brasileiro feminino da atualidade juntos pela última vez em uma Copa do Mundo. Já é motivo suficiente para te deixar vidrado, mas elas têm mais em comum: quebraram recordes sem se importar com gênero. 

Para entender melhor, vai um destaque especial para cada uma…

FORMIGA


Foto: Ricardo Stuckert/CBF

Esta é a SÉ-TI-MA (!) e última Copa do Mundo da baiana Miraildes Maciel Mota, a Formiga. Aos 41 anos, a volante e capitã do Paris Saint-Germain (PSG), onde atua há dois anos, está quebrando um recorde feminino e masculino. É a única futebolista brasileira a participar de sete copas. São 24 anos vestindo a amarelinha!

A atleta teve seu contrato com o clube francês renovado, inclusive, o que é raro na sua idade, no esporte. Talvez porque a nossa Formiga não anda… voa! E é bonito demais ver tanta determinação em campo. 

De Salvador para o mundo!

MARTA


Foto: Divulgação/CBF

Porque ela é o nosso hexa. Ou precisa explicar que a eleita melhor do mundo por seis vezes, sendo cinco consecutivas (2006 a 2010), é um motivo para você sentar a bunda no sofá e ligar a televisão? Quando o assunto é “bola de ouro”, ela desbanca não só as concorrentes, mas os queridinhos Messi e Cristiano Ronaldo. É show que você quer, @? Então toma!

Mas, porém, todavia, contudo e entretanto, a camisa 10 da Seleção Brasileira ainda não aparece na estreia. A atleta do Orlando Pride não se recuperou totalmente de uma lesão na coxa esquerda e deixa o ataque brasileiro desfalcado. 

Mandem energia positiva!

CRISTIANE


Foto: Divulgação/CBF

Nada mais, nada menos, que ver jogar a maior artilheira do futebol feminino da história dos Jogos Olímpicos. Ah, mas isso foi em 2012, porque em 2016 ela se tornou a maior. Ponto. Entre homens e mulheres.

Nossa camisa 11 compõe o ataque da seleção ao lado de Marta e Bia Zaneratto e foi contratada pelo São Paulo, em março deste ano.

Go, Cris!

6 - UNIFORME ESPECIAL


Foto: Divulgação/Nike

Pode parecer pouco, mas não é. Esta é a primeira vez, também, que o uniforme das meninas foi pensado e feito especialmente para elas, e não herdado do modelo masculino (pasmem!). A criação é da Nike, patrocinadora da seleção, e traz uma homenagem às atletas: “Mulheres Guerreiras do Brasil”. 

7 - GRANDES APOIOS

Além dos uniformes, por quê não campanhas publicitárias especiais? “Afinal, será que a Fabi Simões não é boa o suficiente para colocar Guaraná em um copo cheio de gelo? Será que a Andressinha não consegue tomar um gole de Guaraná, em câmera lenta, e fazer ‘ah!’ depois? E a Cristiane? Vai dizer que uma das maiores artilheiras de todas as seleções não consegue falar o slogan da nossa marca?” 

Foram esses os questionamentos levantados pelo Guaraná Antártica, patrocinador oficial da seleção feminina, em propaganda divulgada no início de maio. No vídeo (que você pode ver abaixo), há uma provocação a outras marcas para apoiarem o futebol feminino brasileiro, visto que há muito mais publicidade em torno dos homens. Deu certo. Depois disso, nomes como O Boticário, Itaú, Lay’s e Gol aderiram à ideia.

Assista:





8 - ÁLBUM DE FIGURINHAS


Foto: reprodução

O terceiro álbum do torneio pode ser uma forma divertida de toda a família conhecer um pouco mais sobre o futebol feminino. Ele pode ser encontrado em bancas de revista, livrarias e também na internet, no site da Editora Panini, responsável pela maioria dos álbuns comercializados no Brasil. 

Com 56 páginas, o produto custa R$ 8,90. Já cada pacote de cromos, com cinco unidades, custa R$ 2,50. Pelo site da Panini é possível adquirir um pacote que inclui o álbum e 20 pacotes, por R$ 58,90.

9 - TALENTO (E BOM GOSTO) MUSICAL

Por fim, mas não menos importante, a Seleção Brasileira provou que tem talento não só com a bola nos pés - e nas mãos (oi, Bárbara) -, mas também para a música. No dia 3 deste mês, puxadas pela zagueira Mônica, dona de uma voz potente, as meninas se divertiram ao som de “Quando Você Passa”, mais conhecida como “Turu Turu”, hit dos irmãos Sandy e Junior. O vídeo foi gravado pelo blog Dibradoras.

Assista:



E o vídeo chamou a atenção da própria intérprete. Sandy mandou um recado especial para as atletas: “Adorei saber que vocês gostam da nossa música. Parabéns e boa sorte na seleção, pra vocês todas!”. Fofa, né?



Mônica garantiu que é fã de carteirinha da dupla e já está com os ingressos na mão para o show em Porto Alegre. “Espero que não tenha jogo no dia. Minha irmã me deu de presente. Sou fã desde criança, fez parte da minha história”, disse em entrevista ao Globo Esporte.

10 - "JOGADEIRA"

Ainda nesse ambiente musical, uma letra que as jogadoras criaram despretensiosamente, no ônibus, a caminho de uma partida, virou a música oficial da Seleção Brasileira nesta copa. Intitulada “Jogadeira”, composição de Cacau Fernandes, do Corinthians, e Gabriela Kivits, ex-seleção, a canção fala sobre as dificuldades das meninas que sonham com a carreira.

Veja clipe:


Qual é? Futebol não é pra mulher? Eu vou mostrar pra você, ‘mané’… joga a bola no meu pé!

AAAHHH, QUE HINOOO!

JOGOS

Agora que você já tem vários motivos para acompanhar a Copa do Mundo de Futebol Feminino, confira as partidas do Brasil pela primeira fase:

Brasil x Jamaica - 9 de junho (domingo), às 10h30

Brasil x Austrália - 13 de junho (quinta-feira), às 13h

Brasil x Itália - 18 de junho (próxima terça-feira), às 16h



Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.