Foto: divulgação/EC Bahia


Pensar a presença e participação de pessoas LGBTQIAP+ no futebol é sempre bem complexo por conta do tipo de histórico e cultura nitidamente LGBTfóbicas que ainda circulam com muita forte dentro do esporte, não só no Brasil, mas no mundo inteiro.

Entre o final da década de 70, invadindo os anos 80, até o início dos anos 90, surgiram as primeiras manifestações potentes dentro do futebol em torno dessa comunidade. Primeiro com o surgimento da Torcida Coligay, do Grêmio, no Rio Grande do Sul, que entre muitas controvérsias causadas pela mídia, e por uma parcela da torcida do tricolor gaúcho, inspirou um movimento que impulsionou o surgimento de diversas outras notícias como a Flagay, no Flamengo, Maré Vermelha, no Inter de Santa Maria, entre outros.

Na arbitragem, o trio MBB (Margarida, Bianca e Borboleta) nomes de guerra dos árbitros Jorge José Emiliano dos Santos, Walter Senra e Paulino Rodrigues da Silva, respectivamente, ganhou destaque nacional ao assumirem publicamente a sexualidade e ganharem espaço na imprensa nacional chegando a participar de programas de auditório e apitando clássicos importantes.

Já entre os jogadores, veio da Inglaterra a notícia do primeiro atleta que assumiu a identidade sexual: Justin Fashanu, que viu a sua carreira e vida pessoal serem destruídas após a revelação. No Brasil, foi só em 2010 que um jogador do time profissional assumiu a sexualidade. Foi o goleiro Messi, do Palmeira de Goianinha, à época, jogando a série D do Brasileirão. O arqueiro também foi alvo de ódio, perseguição e violências, o que fez com que ele parasse de dar entrevistas e falar sobre o assunto publicamente. 

Desde então, outras experiências de torcidas vieram. Algumas que funcionam até hoje surgiram no período dos anos 2000, a exemplo da "Papão Livre", do Paysandu, e "Palmeiras Livre", do time paulista. As duas, atualmente, compoem o Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQ que fundei, mas teve a "Galo Queer", no Atlético Mineiro, "Bahia Livre", no tricolor baiano, e outras.

No entanto, situações de homofobia continuaram a permear com muita força o futebol. A experiência do jogador Richarlyson, do São Paulo, é um exemplo disso. Os discursos de diversos dirigentes e torcidas organizadas também. Tudo aconteceu com a mais proeminente omissão e silenciamento sobre o assunto por parte das justiças desportivas regionais e do próprio Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

O que temos hoje? O futebol é um dos esportes que mais tem relação com a identidade nacional do povo Brasileiro, uma paixão inexplicável que é capaz de mexer até com o humor coletivo. Quem não lembra dos 7 a 1? Ou daquele jogo marcante do seu time (mesmo que você não acompanhe) contra o rival? Entretanto, esse esporte ainda é
majoritariamente masculino, cis e hétero, onde ainda se reproduz diversas violências machistas, misóginas, e é um ambiente profundamente LGBTfóbico. O resultado objetivo é que essa comunidade não se sente parte do futebol, muitos sequer como prática esportiva ou atividade física, tamanho o impacto da masculinidade tóxica que domina o futebol.

Foi só na virada da década atual que tivemos os primeiros e mais efetivos movimentos dentro do futebol que tem permitido que façamos de forma concreta a reflexão que proponho nesse texto. "Existe lugar para pessoas LGBTQIAP+ no futebol brasileiro?". A resposta para a pergunta é: SIM, mas esse lugar precisa ser construído de forma
responsável e compromissada por todos os agentes e instituições do futebol. 

Em 2017, surgiram os primeiros clubes (Bahia, Flamengo, Grêmio e Internacional) que se posicionaram em datas simbólicas e importantes da comunidade LGBTQIAP+, como 17 de maio (Dia internacional de combate à LGBTfobia), e 28 de junho (Dia do Orgulho LGBTQIAP+).

Em 2019, após o Supremo Tribunal Federal equiparar a prática de LGBTfobia ao crime de Racismo, o STJD emitiu a recomendação 01/2019 para que os árbitros, auxiliares e delegados das partidas relatem na súmula, e/ou documentos oficiais dos jogos, a ocorrência de manifestações preconceituosas e de injúria em decorrência de opção sexual por torcedores ou partícipes das competições e que os Clubes e Federações realizem campanhas educativas junto aos torcedores, atletas e demais partícipes das competições com o fim de evitar a ocorrência de infrações desta natureza.

Desde então tem sido crescente o número de ações e iniciativas promovidas pelos clubes, muitas ainda dentro de uma expectativa de marketing, mas que acabam por promover o debate sobre inclusão e diversidade, são mais de 200 clubes que atualmente usam as redes para se pronunciar nessas datas.

No ano de 2019 também surgiram diversas torcidas e movimentos LGBTQIAP+ em torno dos clubes, a "Marias de Minas", do Cruzeiro, a LGBTricolor do Bahia, a "Orgulho Rubro Negro", no Vitória, a "Furação LGBTQ", no Athletico Paranaense, e diversas outras, que se juntaram com as que já existiam e formam hoje o Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQ, que busca contribuir de diversas formas para o combate à LGBTfobia no futebol e para promover diversidade e inclusão. 

As ações do clubes saíram das redes e ganham espaço dentro do campo, das lojas e outros espaços dos clubes que já colocaram as cores da diversidade em uniformes dos jogadores, peças vendidas de forma promocional, faixas no estádio, vídeos institucionais, bandeirolas de escanteio, manifesto, promoções e muitas outras iniciativas que tem contribuído para o avanço do combate a LGBTfobia. Algumas federações desportivas também ensaiam ações, ainda de forma tímida, já a CBF não conseguiu dar passos efetivos nesse sentido.

A justiça desportiva tem avançado, e em 2021 o Flamengo foi punido pelo STJD com uma multa de 50 mil reais por gritos homofóbicos da torcida, a denúncia foi enviada pela canarinhos LGBTQ e desde então outros clubes também tem sido punidos. Os árbitros passaram a registrar mais episódios desse tipo, fazendo com que o tribunal tome conhecimento e possa agir.

BAHIA

Mas é do Bahia o particular case de sucesso que tem transformado a cultura interna do clube, incluindo pessoas LGBTQIAP+, promovendo a diversidade e assumindo um posicionamento de marca contundente, inovador e sustentável. Existe no clube um Núcleo de Ações Afirmativas (NAA) que formula ações, campanhas e projetos que contam com a contribuição dos mais variados agentes, tanto do clube, quanto da sociedade, como intelectuais, pesquisadores, movimentos sociais e outros.

O Bahia foi pioneiro no trato da temática LGBTQAIP+ de forma diferenciada e fazendo com que elas tivessem um desdobramento efetivo no dia a dia do clube. Antes mesmo do surgimento da Torcida LGBTricolor, em 2019, o clube já tinha feito inúmeras ações como a venda de peça temática na linha “clube do povo”, uso das cores LGBTQIAP+ nas bandeirolas de escanteio (foto), estabelecimento do uso de nome social em todas as instâncias do clube e contratando funcionário trans para trabalhar na loja oficial da marca do clube, a Esquadrão. Tudo isso estabeleceu um ambiente já aprofundado de debate interno e de convencimento de importantes atores e atrizes que contribuíram muito para que os avanços fossem efetivos.

TORCIDA LGBTRICOLOR

Com o surgimento da Torcida LGBTricolor, o Bahia foi posto em uma situação em que precisava, de alguma forma, responder se essas ações e iniciativas dariam conta de garantir a existência e integração interna de uma torcida composta por pessoas dessa comunidade e a resposta do clube tem sido singular e promovida uma possibilidade de vivência e participação de pessoas LGBTQIAP+ que existem em poucos clubes do mundo.

Atualmente, os membros e membras da torcida frequentam jogos do clube no estádio sem medo ou receio, têm se associado, consumido produtos, participado ativamente dos processos democráticos internos do clube, em diálogo respeitoso e amigável com as demais torcidas, os grupos políticos, conselho, diretoria e etc. Podemos dizer - sem medo - que, no Bahia, os torcedores LGBTQIAP+ estão integrados à dinâmica interna doclube.

Isso é fruto de um trabalho sério e compromissado de todo mundo que faz o Bahia acontecer. Desde que surgiu, a torcida já lançou manifesto durante eleição para o conselho deliberativo, que contou com assinatura de quase todas as chapas, lançou uma camisa histórica da LGBTricolor que faz muito sucesso nas redes e nas ruas, articulou a participação de uma mulher trans na equipe de animadoras oficiais do Bahia (as Tricolíderes), levou letreiro contra lgbtfobia no estádio, passou a colocar faixa no estádio, participou de peças publicitárias do clube, debates, lives sobre a temática e muito mais e nunca nenhum dirigente do Bahia recuou, sempre defenderam publicamente as ações.

É possível replicar em larga escala essa experiência exitosa, mas precisamos de mais empenho de todes agentes e instituições do futebol brasileiro.

*Este material não reflete, necessariamente, a opinião do Aratu On.

Onã Rudá é nordestino, filho de Odé, ativista antirracista e LGBTQIAP+. Ele também é midiativista e fundador da Torcida LGBTricolor, do Bahia.

Instagram: @onaruda2

Notícias Relacionadas

Não é um portal! É a vida ao vivo, em tempo real! O Aratu On é uma plataforma focada na produção de conteúdo audiovisual, que fala da Bahia e dos baianos para o Brasil e para o mundo. Aqui, a notícia é no tempo presente.

Fotos do Instagram

Uma grande fila foi formada logo cedo nessa quarta-feira (6/7), na sede da Secretaria de Promoção Social Combate à Pobreza, Lazer e Esporte, no bairro do Comércio, em Salvador.

Os beneficiários do programa Auxílio Brasil, do Governo Federal, devem procurar a unidade para fazer o recadastramento obrigatório. Por conta da alta demanda, a confusão e as filas se formaram. 

“Sem fazer o agendamento prévio não há atendimento em qualquer uma de nossas unidades”, afirma Tédio Barroso, gerente do Cadastro Único em Salvador. Segundo ele, todos os dias, a unidade atende a 400 pessoas. “Existe uma dificuldade para agendamento porque a demanda é muito maior do que a capacidade do serviço”, lembra

A baleira Ana Virgínia Cerqueira conta que acordou cedo para tentar atendimento na sede e não conseguiu. “O agendamento do cadastro está horrível. É cansativo. Humilhante você passar a noite e parte da manhã ligando e não conseguindo o atendimento”.

#AratuOnO espetáculo era uma releitura de Hamlet, de Shakespeare, que traz a história do fantasma pai. Por um pequeno deslize operacional, a atriz e coordenadora operacional Meniky Marla, que está no Teatro Vila Velha, em Salvador, há quatro anos, não deixou o palco no momento planejado e acabou ficando um pouco mais em cena. Quando veio uma nova deixa e ela conseguiu sair, Meniky sabia que teria pouco tempo para vestir o novo figurino e subir as escadas para entrar em cena novamente. Ela correu para o depósito, que mais parece uma feirinha de antiguidades atulhada de coisas escondidas no teatro, e foi até as escadas. E foi lá que ela viu.

“Eram dez trocas de figurino. Um dos meus figurinos era um voal preto. Eu saí de cena, peguei o voal, só que não tinha mais ninguém. Quando eu olhei para o lado, eu vi um vulto. E eu sabia que todo mundo já tinha subido. Estava todo mundo lá em cima, preparado. Eu peguei o meu voal e fui. Aí, eu vi, de fato, um vulto parecido com o meu voal. Na hora, eu não processei. Eu falei assim: ‘Massa, deve ser, então, né… esse é o meu primeiro contato aqui com os donos da casa’”.

Há anos, os funcionários do Teatro Vila Velha, que fica no Passeio Público, convivem com uma lenda: de vez em quando, um dos fundadores, João Augusto, aparece por lá para ver como estão as coisas. Ele morreu em 1979.

“Desde que cheguei aqui, em 2018, que eu já tinha escutado, né, o próprio Marcio [Meirelles] tinha comentado. E de uma forma muito tranquila também, relatos de pessoas que já passaram por aqui, atores e atrizes, de já terem visto”, explica Meniky, que ressalta: lá no teatro, ninguém vê esses encontros sobrenaturais como algo negativo. Meirelles, figura carimbada no cenário cultural da Bahia, atualmente dirige o local. 

Confira a matéria completa em www.aratuon.com.br

#AratuOn #VilaVelhaO sinal de 5G puro (sem interferência de outras frequências) estreia no Brasil nesta quarta-feira (5/7). A primeira cidade a oferecer o sinal será Brasília, cujo funcionamento foi aprovado na última segunda-feira (4/7) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Próxima geração da internet móvel, a tecnologia 5G pura oferece velocidade média de 1 Gigabit (Gbps), dez vezes superior ao sinal 4G, com a possibilidade de chegar a até 20 Gbps. O sinal tem menor latência (atraso) na transmissão dos dados. Um arquivo de 5G pode ser baixado em cerca de 40 segundos nesse sistema.

A tecnologia 5G permitirá a estreia da “internet das coisas”, que permite a conexão direta entre objetos pela rede mundial de computadores. Essa tecnologia tem potencial para aumentar a produção industrial, por meio da comunicação direta entre máquinas, e possibilitar novidades como cirurgias a distância e transporte em carros sem condutores.

A TIM será a primeira operadora a oferecer o sinal 5G puro em Brasília. Em princípio, serão instaladas 100 antenas que atenderão entre 40% e 50% da população do Distrito Federal. Nos próximos dois meses, mais 64 antenas passarão a funcionar, elevando o alcance da tecnologia para 65% da população.

Segundo o conselheiro e vice-presidente da Anatel, Moisés Moreira, as próximas cidades a receber o sinal 5G puro serão Belo Horizonte, Porto Alegre e São Paulo, mas as datas ainda não estão previstas. No início de junho, a agência reguladora definiu que, até 29 de setembro, todas as capitais deverão contar com a tecnologia.

ACESSO
Para ter acesso à tecnologia 5G, o cliente deve ter um chip e um aparelho que aceite a conexão. O cliente precisa verificar se a operadora oferece o serviço e estar na área de cobertura. O site da Anatel informa a lista de celulares homologados para o sinal 5G puro.

Confira a matéria completa em www.aratuon.com.br 

#AratuOn #5G #ANATELA Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (6/7) um acumulado e estimado em R$ 55 milhões. As seis dezenas do concurso 2.498 serão sorteadas, a partir das 20h, no Espaço da Sorte, em São Paulo.

O sorteio é transmitido ao vivo pelas redes sociais da Caixa. As apostas podem ser feitas até as 19h, nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. A aposta simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

O QUE DARIA PRA COMPRAR?

Se o prêmio for pago para uma única pessoa, o felizardo estará capacitado a comprar vários apartamentos na região do Corredor da Vitória, um dos locais mais valorizados do Nordeste.

Na região, várias mansões estão edificadas em prédios luxuosos. Alguns imóveis têm vista privilegiada para a Baía de Todos Os Santos e acesso à área privativa próximo ao mar. 

Em rápida consulta a anúncios de vendas publicados na internet é possível encontrar disponibilidades de apartamentos com quase 300 metros quadrados pelo valor de R$ 4,5 milhões.

São imóveis com  4 suítes, varanda com reiki, sala de estar, jantar, lavabo, dependência de empregada, 4 vagas de garagem. Infraestrutura completa de lazer com piscina, sauna, academia, salão de jogos e brinquedoteca.

Nesse padrão o vencedor poderia adquirir, pelo menos, 12 imóveis.

#AratuOnUm kit que conteria os intens necessários para matar vampiros, pertencente a um aristocrata britânico, criou uma disputa internacional de lances, antes de ser vendido por seis vezes o preço estimado, de acordo com a casa de leilões Hansons Auctioneers. As informações são da CNN.

A caixa, datada do final do século 19, foi vendida por 13 mil euros (cerca de R$ 72 mil, na cotação atuall) na última quinta-feira (30/6). O kit contém crucifixos, água benta, estaca e martelo de madeira, contas de rosário, uma Bíblia gótica, castiçais de prata, pistolas combinando e um frasco de pólvora de prata.

O material pertencia a Lord William Malcolm Hailey (1872-1969), um membro da nobreza britânica e ex-administrador da Índia britânica. “Seja por medo ou fascinação, é interessante saber que um membro da mais alta ordem social aristocrática, um homem com um lugar na Câmara dos Lordes, adquiriu este item”, disse Charles Hanson, proprietário da casa de leilões.

O item macabro atraiu licitantes de todo o mundo, inclusive da França, Estados Unidos e Canadá. Um comprador anônimo do Reino Unido ganhou. “A crença em vampiros, uma criatura morta-viva que diz precisar de sangue humano para sobreviver, remonta a centenas de anos e persiste em algumas partes do mundo hoje”, diz o leiloeiro.

Além de conter os itens necessários para matar um vampiro, há também ferramentas para afastá-los. “Itens de significado religioso, como crucifixos e bíblias, supostamente repeliam esses monstros, daí sua presença no kit”, explica.

Ainda não há como saber se o comprador colocará o kit em uso. “A tarefa de matar um vampiro era extremamente séria e relatos históricos sugeriam a necessidade de métodos e ferramentas particulares”, acrescentou.

#AratuOnA Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realiza consulta pública para definir requisitos técnicos para padronizar carregadores de telefones celulares no padrão “USB tipo C”. As contribuições podem ser enviadas até 26 de agosto.

Segundo a agência reguladora, a consulta será realizada após projeto do parlamento europeu incluir requisitos para harmonização de interface de carregamento por cabo de diferentes equipamentos, inclusive telefones celulares, que deverão integrar uma interface de carregamento harmonizada, baseada no padrão USB tipo C. O modelo foi escolhido por ser utilizado pela maioria dos fabricantes globais e possuir normatização internacionalmente reconhecida.

Parlamentares dos Estados Unidos também solicitaram ao departamento de comércio estadunidense a adoção de abordagem similar à europeia. Ao definir padrão de carregadores de celular, os congressistas querem evitar custos desnecessários ao consumidor e diminuir o lixo eletrônico.

De acordo com a Anatel, uma proposta com abordagem similar ao mercado internacional foi criada para aplicação no Brasil, abrangendo carregadores de telefones celulares cuja implementação depende da atualização dos requisitos técnicos vigentes na agência para a avaliação da conformidade de telefones e carregadores celulares.

#AratuOn #AnatelA Paraná Pesquisas/ Bahia Notícias divulgou seu último levantamento nesta terça-feira (5/7) sobre a disputa eleitoral na Bahia. Conforme os novos números, ACM Neto (UB) manteve distância folgada para os demais adversários e seria eleito governador da Bahia no primeiro turno. Em abril, ele apresentou 55,4%. Seu principal rival na corrida eleitoral, Jerônimo Rodrigues (PT), aparece com 15,8%, porcentagem menor que os 16,1% mensurados em abril. João Roma (PL) caiu de 10,1% para 9,1%. Kleber Rosa (PSOL), que chegou a 1,2% em abril, caiu para 0,5% e Giovani Damico (PCB) oscilou de 0,5% para 0,1%.

Em território baiano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem liderança folgada nas intenções de voto contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). O petista crava 49,8%, enquanto o atual chefe de Estado aparece com 26,5%. Levando em consideração a margem de erro de 2,5%, o ex-presidente pode colocar diferença de até mais que o dobro das intenções de voto sobre Bolsonaro.

Pela primeira vez, o Instituto Paraná Pesquisa mensurou o cenário da corrida pelo Senado sem o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), que desistiu em maio para dar lugar ao seu filho, Cacá Leão (PP). Otto Alencar (PSD) lidera com folga contra Cacá e Raissa Soares (PL). Pré-candidato à reeleição, Otto tem 33,9%, enquanto Cacá aparece com 12,8%. Raissa soma 7,4% das intenções de voto, enquanto Tâmara Azevedo foi citada por 4,2% dos entrevistados.

A pesquisa ouviu 1.640 pessoas, em 72 municípios, entre os dias 30 de junho e 4 de julho, com margem de erro de 2,5% e intervalo de confiança de 95%. Está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob nº BR-00774/2022.

#AratuOn #Pesquisa #Eleicoes2022Uma casa usada como oficina ilegal para conserto de armas de fogo foi encontrada o final da tarde do domingo (3/7), na cidade de Monte Santo, a 352 km de Salvador. Cinco espingardas, dois revólveres, uma pistola e materiais explosivosforam apreendidos por equipes da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Nordeste.

A oficina funcionava na Fazenda Lage do Veado, povoado de Alto Alegre. O comandante da unidade, major Luís Paulo Ribeiro Neri, informou que a população da zona rural que indicou o espaço. 

"Os moradores nos contaram que os homens que moravam nesta casa costumavam realizar disparos de arma de fogo e ameaçar vizinhos. Nós sabemos que os grupos criminosos contam com o apoio de armeiros e já levantamos informações que vão ajudar a capturá-los", contou.

Os suspeitos fugiram deixando para trás diversas armas. Foram achadas quatro espingardas calibres 20, 28, 36 e uma artesanal, dois revólveres de numerações 22 e 32 e uma pistola calibre 6,35, uma garrucha de dois canos, 44 munições de diversos calibres, cinco recipientes contendo pólvora e outros três de chumbo, três caixas de espoleta e um coldre.

Todo material foi encaminhado para a Delegacia Territorial (DT) de Euclides da Cunha e levado a perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT) para que possam ser iniciadas as investigações.

#AratuOnMais de três meses depois do término, o relacionamento do prefeito de Salvador, Bruno Reis (União Brasil), com a estudante de medicina Rebeca Cardoso foi reatado. O gestor da capital baiana postou uma foto nas redes sociais ao lado dela e dos filhos, em Curaçá, norte da Bahia.

"Domingo com minha galera na Festa dos Vaqueiros de Curacá", publicou o prefeito. Rebeca compartilhou a publicação nos stories e comentou: "Hoje fazem (sic) 12 anos, foi aqui em Curaçá o primeiro beijo".

Os dois terminaram em março. Na época, Rebeca escreveu sobre o fato de não estarem mais juntos e agradeceu o carinho que tem recebido das pessoas durante todo esse tempo juntos pelo fato de ter "se tornado uma pessoa pública". "Venho recebendo muito carinho, que vem de pessoas que eu nem conhecia e acreditam em mim", disse. A publicação foi apagada.

Esse é o segundo casamento do prefeito. Anteriormente ele foi casado com a oftalmologista Soraya Santos.

#AratuOn #BrunoReis
Ver Mais