Entre maio e julho de 2022, a Netflix bateu diversos de seus recordes de público, através do lançamento da quarta temporada de Stranger Things (ST). Somente os dois episódios finais da série contaram com 301,28 milhões de horas assistidas. De acordo com o site da Forbes, o streaming encontrou, inclusive, dificuldades técnicas devido ao acesso intenso dentro da plataforma. Contudo, será que esta season foi boa de fato?

É difícil ter uma resposta totalitária aqui, visto que o seriado trouxe um desnível de qualidade. Mas, talvez, o fator que justifique melhor a quantidade de visualizações seja a própria estrutura que ela convoca em seu quarto ano. Divida em duas partes, há uma atmosfera de progressão construída de tal forma, que o melhor conteúdo vai ficando paulatinamente para o final. 

Todavia, existem questões que precisam ser pensadas em termos de narrativa e desenvolvimento de personagens. Há uma ausência de equilíbrio nas premissas de cada núcleo. E o ponto de partida para este debate é pensar como o elenco de ST é extenso! Por conta disso, a trama é divida em subplots, com enredos que, obviamente, irão se encontrar à medida que a história avançar. 

Apesar de esta estrutura ser comum – até mesmo dentro de ST –, as criações para certas personagens ganham mais camadas e manutenção de ritmo, enquanto outras soam como fillers¹ ou apresentam uma escrita truncada, que tomam muito tempo para se encaminhar, deixando os episódios entediantes, principalmente em sua primeira parte. Neste sentido, é possível destacar como, dentro destas divisões, houve o ponto alto, o baixo e o médio da temporada. 

O núcleo encabeçado por Eleven (Millie Bobby Brown) é o mais sofrido. Os conflitos iniciais da protagonista dentro de sua nova escola na Califórnia são repetitivos e, por este motivo, a fruição do espectador é afetada pelo cansaço. Somente a partir do quarto episódio que é possível começar a vislumbrar algo de relevante para o contexto geral da história. Já o grupo que permaneceu em Hawkins, que possui o conflito principal focado em Max (Sadie Sink) é o ápice do quarto ano. 

Isto se dá não apenas pelas próprias questões vividas pela garota – como o luto por Billy (Dacre Montgomery), o término do seu namoro com Lucas Sinclair (Caleb McLaughlin) e o fato de que ela é uma das vítimas de Vecna –, mas as premissas que ocorrem em Hawkins são como uma chave para prender a atenção do público. Isto se dá não apenas pelo fato de tudo ter começado nesta cidade, mas as novidades que são inseridas pelos Duffers.

São muitos fatores que podem ser elencados para o sucesso deste núcleo, como: o próprio conflito de Sinclair com seus supostos novos amigos populares, as investigações de Nancy, Robin e Steve ou as figuras carismáticas de Eddie (Joseph Quinn) e Chrissy (Grace Van Dien), que ganharam a simpatia dos espectadores, com muita shippagem e edits da música "Chrissy wake up", que se espalhou pelo Tiktok.

Neste cenário existem cotorno, complexidades e tramas que estão conectadas entre si e com o conflito geral e foi assim que ocorreu o grande sucesso de Eddie e Chrissy entre os consumidores, fazendo até com que os irmãos Duffers se arrependessem da morte dos dois dentro da série, como foi dito em entrevista para o TV Line.  Mas, além da química entre o ship, os arcos deles também mantém o enredo vivo, bem como fomentam o pavor e perigo causado pelo "novo” vilão Vecna.

Os dois contribuem para a suspensão e uma ambientação de horror, que apenas é um pouco diluída pela falta de tempo para que sejam exploradas, já que cada episódio precisa também mostrar o que está acontecendo com Eleven e os amigos que estão com ela (Mike, Will, Jonathan e Argyle). Mas, em todo este universo ainda há outra falha de condução de personagens e subplot nesta temporada.

O seriado também traz as peripécias vivenciadas por Joyce Byers (Winona Ryder) – a atriz, inclusive consegue dar continuidade ao papel com tonicidade e complexidade de tons da fala, apesar do roteiro não trazer nuance alguma para Joyce neste novo ano – e Murray Bauman (Brett Gelman), que tentam regastar Jim Hopper (David Harbour). O rapaz foi capturado pelos russos e busca escapar da prisão. 

Nesta suposta aventura, os encaminhamentos também demoram a engatar. Com ações repetidas e voltas para revelar para quem assiste o que está de fato acontecendo com Jim e como Joyce e Murray irão resgatá-lo, as constantes cenas de encarceramento entregam, outra vez, a sensação de filler. Este ponto é um problema, principalmente, porque as sequências de tortura e brigas na prisão acrescentam pouco para o conflito da temporada.

Para completar, os inimigos da Rússia são colocados pelos estadunidenses apenas como pessoas extremamente ruins, criando personagens totalmente planas, o que entrega com muita facilidade o que irá acontecer em cada cena. Este núcleo é o que mais sofre com a falta de criatividade e com soluções óbvias. Mas, os irmãos Duffers e sua equipe não possuem todo este sucesso à toa. 

O que ocorre aqui, e que acaba instigando a audiência a não parar, é justamente o mistério sobre Vecna, além da curiosidade sobre o destino de Max e como todas estas tramas separadas irão se conectar. No entanto, assim como outras produções originais da Netflix (La Casa de Papel, The Witcher, As Telefonistas, Squid Game, First Kill etc), a quarta temporada de Stranger Things é fraca em sua totalidade e se vale apenas de seus clímaces enganosos.

O que é aproveitado na obra são os instantes de ápice para incrementar os diálogos, os efeitos, a direção e é claro para inserir as músicas emblemáticas dos anos 1980 – Kate Bush e sua "Running up the Hill" já bateram quase 500 milhões de cliques somente no Spotify. Mais do que um seriado, ST é um modelo de negócios e é nisso que ela mais acerta, em seus truques. A próxima season é a sua última. Quem sabe o fôlego do primeiro ano não é recuperado? 

Filler¹ - Termo usado inicialmente pela comunidade de fãs de anime para denominar episódios ou arcos inteiros de uma série de anime cujo enredo não se baseia no mangá do qual a série foi adaptada.

*Este material não reflete, necessariamente, a opinião do Aratu On.

Doutoranda e mestre em Comunicação, formada em Artes Cênicas e em Comunicação Social, Enoe Lopes Pontes é pesquisadora, jornalista e crítica de cinema e séries. É membro da ABRACCINE e do Coletivo Elviras. Cinéfila desde os 6 anos, sempre procurou estar atenta para todo tipo de produção, independentemente do gênero, classificação ou fama. Do cult ao pipoca, busca observar as projeções com cuidado e sensibilidade. Filmes preferidos: Hiroshima Mon Amour e Possession.

Enoe integra a equipe do Coisas de Cinéfilo, como crítica.

Instagram: @enoelp

Notícias Relacionadas

Não é um portal! É a vida ao vivo, em tempo real! O Aratu On é uma plataforma focada na produção de conteúdo audiovisual, que fala da Bahia e dos baianos para o Brasil e para o mundo. Aqui, a notícia é no tempo presente.

Fotos do Instagram

Você é tímido e acha que precisa “deixar de ser assim”? Então você precisa assistir ao novo vídeo de Tainã Gama, a mentora de expressões, em #ColunistasOn.

Na coluna, ela diz que “achar que você pode acabar com a timidez é não reconhecê-la como uma característica de sua personalidade”, e que talvez um caminho seja dar um novo significado aos momentos em que ela costumeiramente acaba dominando sua comunicação. 

“Qual é a real necessidade de acabar com uma característica que faz parte de quem você é?”, questiona Tainã.

Assista ao vídeo e deixe sua experiência, ou opinião, nos comentários.

#aratuonJá pensou em contratar uma funcionária para ser amante do seu marido? A tailandesa Pattheema Chamnan, de 44 anos, não só pensou, como fez o anúncio da vaga de emprego em uma publicação no TikTok. A postagem já foi tirada do ar da rede social. As informações são do jornal britânico The Mirror.

Em um vídeo, a mulher anunciou que estava oferendo três vagas diferentes: duas para auxiliares domésticas e uma para "agradar ao marido" dela. Os pré-requisitos eram ter concluído o Ensino Médio, ter um diploma universitário, ser apresentável, se comunicar bem, ser divertida, ser solteira e sem filhos, ter entre 30 e 35 anos e apresentar um teste negativo para o HIV.

Na publicação, Pattheema propõe um salário de 15.000 baht, o que equivale a cerca de R$ 2 mil. Além de "cuidar" do marido dela, de prenome Pattagorn, a tailandesa informa que a candidata terá que ajudá-la também com algumas tarefas domésticas, além de tomar conta do filho do casal.

"Você receberá pelo menos 15.000 baht por mês, terá acomodação e refeições gratuitas, mas, precisa me ajudar. Dois serão contratados para ajudar com o trabalho de documentação em meu escritório, e outro será contratado para cuidar de mim, meu marido e meu filho", apontou ela.

Além disso, ela ainda garantiu que a casa dela é um ambiente harmonioso, sem brigas, e que o marido ainda terá autonomia na hora de escolher com quem quer dormir. "Eu garanto que não haverá briga entre nós. Eu permito que meu marido escolha com quem ele quer dormir ou ficar. Sem horário, ele pode escolher sozinho".

Em entrevista ao The Mirror, Pattheema disse que abriu essa vaga inusitada porque, por estar lutando contra uma depressão severa, não consegue mais dormir com o marido. "Eu não tenho dormido com o meu marido. Isso faz com que eu me sinta uma péssima esposa. Quero encontrar amantes para o meu marido, pois estou lutando fisicamente. Tenho depressão crônica e sinto que não posso cuidar bem dele".

E, no final, ela encontrou uma candidata perfeita para o cargo: uma mulher de 33 anos, amiga íntima de Pattheema. 

#AratuOnVídeos que circulam nas redes sociais nas horas últimas têm deixado os torcedores baianos preocupados. E, não é à toa. Na filmagem, é possível ver o que seria uma rachadura entre parte das arquibancadas da praça esportiva baiana.

Procurada pela reportagem do Aratu On, nesta segunda-feira (8/8), a assessoria da Arena Fonte Nova se pronunciou. Em nota, ressaltou "que realiza uma programação planejada, atenta e constante de manutenção preditiva, preventiva e corretiva em suas instalações".

O texto ainda trouxe uma informação de Fábio Santos, engenheiro estruturalista responsável pelo laudo da Arena Fonte Nova. Segundo ele, "por conta de sua extensão, a estrutura conta com espaçamentos entre placas de concreto previstos para permitir movimentos naturais de origem térmica, mecânica e outros.

“Essas estruturas recebem manutenção preventiva  e não representam nenhum tipo de risco estrutural”, finalizou a nota do empreendimento. 

Ouvido pela reportagem do Aratu On, o engenheiro Leonel Borba tranquilizou os torcedores, mas disse que é preciso realizar uma vistoria mais detalhada, dentro do estádio. "Os responsáveis pela manutenção devem efetuar uma vistoria in loco para  monitorar se a abertura está estacionada ou há aumento na sua abertura", destacou. 

No último sábado (6/8), no triunfo do Bahia por 1 a 0 sobre o CSA, a Fonte Nova teve público recorde do Bahia no ano – 44.885 pagantes e 45.358 no total. A marca superou o jogo contra o Grêmio, quando 41.617 pagaram ingresso.

TRAGÉDIA 

Após os vídeos registrados dentro da nova Arena Fonte Nova, de imediato, a lembrança que volta à cabeça é a da fatal tragédia do dia 25 de novembro de 2008.

Naquela ocasião, parte do anel superior da antiga Fonte Nova cedeu e matou sete torcedores do Bahia, presentes no estádio para o jogo contra o Vila Nova, pela Série C 2007, que decidiria o acesso do time à segunda divisão após dois anos no escalão mais baixo do futebol brasileiro - na época não existia a Série D -. 

#AratuOnUm salva-vidas, que não teve o nome revelado, foi filmado defecando no mar. O vídeo foi feito em Vilas do Atlântico, uma das praias mais visitadas de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. Entrevistados pela reportagem do Aratu On, profissionais revelaram o contexto de "protesto" por trás do registro. 

Nas imagens, capturadas bem próximas ao servidor, ele aparece utilizando o uniforme da Prefeitura e aparenta fazer o ato de forma proposital, não se tratando de um simples flagrante. Após iniciada a filmagem, o trabalhador se abaixa calmamente e defeca em meio às águas. Após terminar, ele faz a limpeza com a areia e se veste novamente. 

Ao serem questionados sobre o registro, dois servidores concursados de Lauro de Freitas e membros da equipe do Salvamar, que não quiseram se identificar por medo de retaliações da Prefeitura, explicaram a situação. 

"Conhecemos o homem que gravou o vídeo, e aquilo foi uma forma de protesto que ele pensou. Nós não temos banheiros e, muitas vezes, nem água potável. Estamos trabalhando com o mínimo", lamentou o primeiro rapaz.

Sobre as condições de trabalho da categoria no município, o segundo funcionário confirmou as dificuldades citadas pelo colega. "É difícil! Não temos equipamentos básicos de resgate, como prancha, boias, pés de pato, equipamentos para fazer respiração. Caso alguém se afogue, dependemos da ajuda dos surfistas para resgatar com velocidade". 

INÍCIO DAS DENÚNCIAS 

Segundo um dos responsáveis pelos depoimentos, a vontade de denunciar o abandono das praias e profissionais aconteceu após ele presenciar a primeira morte, na praia do "Surf", também em Vilas do Atlântico. Na oportunidade, segundo o profissional, não existiam os equipamentos de socorro e atendimento. 

A caso foi aconteceu na manhã do dia 21 de maio de 2021. 

Confira a matéria completa em www.aratuon.com.br

#AratuOnDificuldade de lembrar datas, fazer cálculos ou realizar tarefas básicas do dia a dia. As habilidades cognitivas geralmente diminuem à medida que a idade avança. Mas uma pesquisa feita por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) mostra que a perda chega a ser 28% maior entre pessoas que consomem mais alimentos ultraprocessados.

São alimentos que passaram por processo industrial tão intenso que a composição deles já nem parece a de comida de verdade. Encaixam-se nesta categoria pães de forma, salgadinhos, refrigerantes.

O declínio cognitivo foi maior entre as pessoas que consumiam mais de 20% das calorias diárias de ultraprocessados. E não é difícil chegar a essa média: 20% equivale a três fatias de pães de forma por dia.

Os resultados foram apresentados na Conferência Internacional de Alzheimer, realizada na semana passada na cidade de San Diego, nos Estados Unidos.

A pesquisa analisou o desempenho das pessoas que participaram do mais longo e maior estudo de performance cognitiva realizado no Brasil: o Elsa-Brasil. São cerca de 15 mil pessoas, entre 35 e 74 anos, que começaram a ser acompanhadas em 2008 para investigar fatores de risco para doenças crônicas como hipertensão, arterioesclerose e acidente vascular cerebral.

O estudo analisou os dados conforme o tipo de alimento consumido: alimentos não processados, como vegetais e frutas, os ingredientes culinários, como sal e óleos, os alimentos processados, com modificações leves como adição de sal ou açúcar, e os ultraprocessados.

Dados do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP mostram que o consumo médio de alimentos ultraprocessados no Brasil é justamente de 20% no Brasil. Como é uma média, algumas pessoas consomem muito mais. Mas ainda assim, é um patamar três vezes menor que a de países ricos, onde a média chega a 60%.

Confira a matéria completa em www.aratuon.com.br

#AratuOnA contagem para o início da Copa do Mundo 2022 já começou. Faltam 105 dias. Quem for torcer para Seleção Brasileira já pode ir preparando o bolso. Afinal, desde o domingo (7/8) começaram as vendas das novas camisas do Brasil.

Por enquanto, já estão à venda exclusivamente no site da Nike - por R$ 349,99 e em todo o mercado brasileiro a partir de sexta-feira (12/8) -. O valor chama a atenção por ser mais da metade que o Auxílio Brasil - benefício de R$ 600 pago pelo Governo Federal a cerca de 5,2 milhões de pessoas por conta da crise que assola o país -. 

A camisa titular, predominantemente amarela, é estampada com desenhos inspirados na pele de onça e tem detalhes em verde na gola e nas mangas. Os shorts são azuis com a numeração em amarelo, enquanto as meias brancas exibem detalhes em verde e azul.

Já o uniforme reserva é azul e traz as pintas de onça nas mangas, em verde. O calção branco traz a numeração em verde, e o meião azul com detalhes em verde e amarelo.

Na parte interna da camisa, na altura da nuca, há um grafismo em homenagem à "Garra Brasileira". Já a parte interna frontal da camisa amarela traz o detalhe da bandeira do Brasil.

"Vibrante e arrojado, o uniforme 2022 da seleção brasileira homenageia a coragem e a cultura de um povo que nunca desiste. Inspirado na garra e beleza da onça, a camisa une todos os brasileiros", postou a CBF.

A campanha intitulada "Veste a Garra" traz personalidades como Alisson, Richarlison, Rodrygo, Philipe Coutinho, Marquinhos, Adriana e Ronaldo Fenômeno, além de famosos de fora do futebol, como o velocista Paulo André, o rapper Djonga, o funkeiro MC Hariel, a streamer Babi Loud e a judoca Rafaela Silva.

#AratuOn #CopaDoMundo2022Se você costuma usar redes sociais, já deve ter se deparado com vídeos de Kwon Min Sung, o “coreano pagodeiro” de 22 anos (ou 24, na idade coreana*) que ganhou uma avalanche de seguidores, comentários e curtidas após performar hits de funk e, nas últimas semanas, de pagode baiano.

Com um repertório atualizadíssimo, que inclui La Fúria, O Kannalha e Oh Polêmico, o jovem deixa os seguidores surpresos com tanto molejo. “Você é baiano e não tá sabendo”, disse um. Mas, na verdade, Min Sung é de Yongin, a cerca de 40 quilômetros da capital, Seul, e descobriu e se encantou com o Brasil sem nunca ter visitado o país, graças ao “app vizinho”, o TikTok, onde tem mais de 1,4 milhão de seguidores.

Entre directs, e-mails e KakaoTalk (aplicativo similar ao WhatsApp e popular na Coreia do Sul), o Aratu On entrevistou o jovem influencer, que fez questão de responder às perguntas em português. Carismático, ele diz que não sabe “falar bem” nosso idioma, mas que está aprendendo com a ajuda do Google Tradutor. 

#AratuOn #Pagode #MinSungÉ HOJE! 🤩

Você tem um encontro marcado com a galera do #AratuTáOn a partir de 13h15! Não perca ✨😜

@gordaroupa 
@vivianalecy 
@juanascastroO candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, escolheu Ana Paula Matos, vice-prefeita de Salvador, como sua vice na disputa ao Planalto. Essa é a terceira vez que o ex-ministro disputa a eleição ao Executivo federal. 

A escolha por Ana Paula foi decidida durante uma reunião da Executiva do PDT na manhã desta sexta-feira (5/8), na sede do partido em Brasília. O nome foi definido no último dia do período das convenções partidárias, quando as legendas oficializam seus candidatos.

Sem ter conseguido apoio de outros partidos para compor sua chapa, o pedetista repete a mesma fórmula que usou em 2018: anunciar uma mulher do próprio partido no último dia das convenções. Naquele ano, a senadora Kátia Abreu (PP-TO), então correligionária de Ciro, foi anunciada no dia 5 de agosto, prazo final dos eventos que oficializam a candidatura dos postulantes na eleição.

QUEM É ANA PAULA MATOS?

Advogada, professora, pós-graduada em finanças e com mestrado em administração, Ana Paula, 44 anos, é servidora concursada da Petrobras. Iniciou a trajetória na gestão municipal como diretora geral de Educação, em 2013.

Na sequência, Ana Paula foi chefe de gabinete da vice-prefeitura, presidente do instituto de previdência municipal, secretária das Prefeituras-Bairro, secretária de Promoção Social e combate à pobreza, e secretária de Governo de Salvador. Em 2020 foi eleita vice-prefeita de Salvador em chapa com Bruno Reis (DEM).

Ana Paula, nascida em Salvador, tem atuação forte na área social e de combate à pobreza, compreendendo a importância da luta para acabar com a miséria no Brasil. Negra, tem lutado contra o racismo e defendido políticas afirmativas. Eleita, será a primeira mulher negra à ocupar o cargo no Brasil.

Professora, formada em Administração de Empresas pela Universidade Salvador (1998) e em Direito pela Universidade Católica do Salvador (2001), é pós-graduada em Finanças Corporativas pela Unifacs (2000) e mestre em Administração, pela Universidade Federal da Bahia (2002).

Confira a matéria completa em www.aratuon.com.br

#AratuOn #CiroGomes #PDT
Ver Mais